Exposição

olhares_expo

 

Paisagens urbanas de Brasília e Ottawa são retratadas sob o olhar de dois fotógrafos estrangeiros

Diferentes cenários e monumentos, que revelam a beleza e identidade cultural de Brasília e Ottawa, serão apresentados na exposição “Olhares Cruzados – Brasil e Canadá na Casa Fiat de Cultura”. A mostra, que integra a programação da 5ª edição da Festa da Francofonia, em Belo Horizonte, ficará em exibição de 21 de março de 2019 a 19 de maio de 2019. São 15 imagens da capital canadense, retratadas pelo fotógrafo brasileiro Kazuo Okubo e 15 da capital brasileira, registradas pelo fotógrafo canadense Daniel Stanford.

A partir do olhar cruzado de dois estrangeiros, as obras da exposição apresentam os contrastes e semelhanças entre as cores, cenários e construções das duas capitais. Brasília, por exemplo, traz em sua arquitetura a modernidade que harmoniza com a natureza local, além de um complexo arquitetônico e urbanístico imutável e uma paisagem mais homogênea. O cenário em Ottawa, por outro lado, se modifica conforme o clima e as temperaturas, que afetam a rotina e a forma com que os habitantes e turistas se relacionam com a cidade. Na capital canadense, a arquitetura é formada por sobreposições de estilos e épocas, além de diferentes linguagens e contextos que juntos compõem sua paisagem urbana.

Para Fernão Silveira, presidente da Casa Fiat de Cultura, a exposição contribui na troca cultural entre os países. “As diferenças apresentadas nas imagens não existem para separar, mas sim para complementar a visão sobre essas duas culturas”, afirma.

Assim como o Brasil, o Canadá é um país multicultural, que apresenta cenários urbanos inspiradores. Em vista disso, para Paulo de Castro Reis, diretor de Relações Institucionais da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, exposições como esta proporcionam experiências valiosas entre as nações amigas. “A cultura é um dos caminhos que enxergamos para ampliar o interesse e a integração entre os países”.

A realização da exposição é da Casa Fiat de Cultura, em parceria com a Câmara de Comércio Brasil Canadá e Governo do Canadá.  

 

Os destaques

Este slideshow necessita de JavaScript.

Duas obras estão em destaque na exposição. A imagem registrada pelo fotógrafo canadense Daniel Stanford, da lateral do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília, e a imagem registrada pelo fotógrafo brasileiro Kazuo Okubo, sobre a escultura Maman, em diálogo com a Catedral de Notre-Dame em Ottawa.

Na fotografia de Stanford, a lateral do Teatro, criada pelo artista brasileiro Athos Bulcão, apresenta uma série de paralelepípedos que variam de tamanho e proporção. Na imagem é possível identificar o equilíbrio entre a arquitetura e a natureza, que juntas constituem parte da paisagem urbana da capital brasileira. O espaço foi projetado em 1958 por Oscar Niemeyer, com colaboração do pintor e cenógrafo Aldo Calvo, para ser o principal equipamento cultural da cidade. Localiza-se no setor cultural Norte e tem a forma de uma pirâmide, com cerca de 43 mil metros quadrados.

A outra obra em destaque mostra a escultura Maman, de Louise Bourgeois, uma aranha de mais de nove metros de altura em aço e bronze que abriga uma bolsa com 20 ovos de porcelana. O monumento foi criado em homenagem a mãe de Borgeois, que trabalhava como tecelã na oficina da família em Paris. Era considerada pela filha como uma mulher inteligente e protetora, assim como uma aranha. O monumento é uma metáfora de fiação, tecelagem, educação e proteção. Na mesma foto, em contraste com a escultura pós-moderna, está presente a catedral de Notre-Dame de Ottawa, em estilo neogótico, sede do arcebispado católico romano e a maior e mais antiga igreja no país, atualmente. A fotografia, portanto, reflete a diversidade da paisagem urbana do Canadá sob o olhar de um brasileiro.

As duas fotografias exemplificam o conceito da exposição de intercâmbio cultural, ao apresentarem as principais diferenças e semelhanças entre as duas capitais, sob o ponto de vista da paisagem urbana. Brasília como símbolo do modernismo e cenário uniforme e Ottawa formada por múltiplos estilos e tempos que se misturam.

 

Percepções de cada olhar

Apesar das diferenças culturais e geográficas, o público terá a possibilidade de perceber similaridades entre as duas capitais. Além da conexão dos monumentos com a natureza local, as duas cidades abrigam a sede do governo do Brasil e Canadá. Desta forma, uma grande parte das pessoas que passam por estas cidades são turistas.

A exposição também apresenta o clima como um fator presente na paisagem urbana de Ottawa. O início do inverno na cidade canadense é marcado pelo vazio nas ruas. Em Brasília, essa ausência de pessoas nas largas avenidas é constante e justificada pela própria essência da cidade: o carro como personagem do cenário urbano. Para o fotógrafo brasileiro, a mostra traduz a percepção de dois estrangeiros.  “As imagens são olhares daquilo que impressiona ao chegar em uma cidade nova, ao deparar com um clima e pessoas diferentes. Mas ao mesmo tempo me identifiquei, percebi a minha terra natal, na capital canadense”, revela Kazuo Okubo.

O trabalho do fotógrafo canadense partiu da arquitetura de Brasília. É possível identificar uma forte luz dramática sobre os monumentos que evidenciam a admiração do artista em relação às construções da cidade. “Eu procurava por todas as perspectivas que destacassem as linhas e horizontes únicos que é a cidade. Eu acredito que minha série sobre a capital brasileira reflete a cultura que é única no Brasil. Foi uma experiência muito positiva poder registrar uma cidade tão esteticamente rica que é Brasília”, declara Daniel Stanford.

 

kazuo

Kazuo Okubo

Natural de Brasília, Kazuo Okubo é fotógrafo e produtor cultural. Iniciou sua carreira na fotografia como assistente de seu pai, Arlindo Okubo, em 1974. Fotografa publicidade desde 1989 e desenvolve trabalhos autorais desde 2003. Em 2009, inaugurou em Brasília a primeira galeria de arte dedicada exclusivamente à fotografia no Centro-Oeste, “A Casa da Luz Vermelha”. Participou de exposições individuais em São Paulo, Brasília, Goiânia e da Mostra de Tiradentes, em 2007, em Minas Gerais, além de mostras coletivas em Miami, nos Estados Unidos e Paris, na França.

 

daniel

Daniel Stanford

Natural de Ottawa, no Canadá, Daniel Stanford possui certificação em Comunicação, História da Arte e Estudos de Cinema pela Universidade de Ottawa, além de Design Gráfico pela mesma instituição. Têm mais de 20 anos de experiência em moda, luxo e branding e já contribuiu para campanhas da Lancôme, Guess Jeans, Victoria’s Secret, entre outras. É reconhecido pelo uso de mídias mistas que combinam madeira, ouro, pigmentos e metais preciosos. A partir de observações durante uma de suas viagens ao Brasil produziu uma série de fotografias “Brazil Sea of Dunes”. Outro destaque em sua carreira é a mostra “FASCINASIA” que retrata, por meio de imagens e pinturas, o sudeste asiático – Vietnã, Tailândia, Filipinas, Camboja.

 

Casa Fiat de Cultura

A Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural brasileiro, ao realizar as mais prestigiadas exposições. A programação estimula a reflexão e interação do público com várias linguagens e movimentos artísticos, desde a arte clássica até a arte digital e contemporânea. Por meio do Programa Educativo, a instituição articula ações para ampliar a acessibilidade às exposições, desenvolvendo réplicas de obras de arte em 3D, materiais em braile e atendimento em libras. Atualmente, 50 mostras de consagrados artistas brasileiros e internacionais, já foram expostas na Casa Fiat de Cultura, entre os quais Caravaggio, Rodin, Chagall, Tarsila, Portinari entre outros. Há 13 anos, o espaço apresenta uma programação diversificada, com música, palestras, residência artística, além do Ateliê Aberto – espaço de experimentação artística – e de programas de visitas com abordagem voltada para a valorização do patrimônio cultural e artístico. A Casa Fiat de Cultura é situada no histórico edifício do Palácio dos Despachos e apresenta, em caráter permanente, o painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. O espaço integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Mais de 2,5 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 400 mil participaram de suas atividades educativas.

 

SERVIÇO

Exposição Olhares Cruzados – Brasil e Canadá na Casa Fiat de Cultura                                                                                                                                                      

21 de março a 19 de maio

Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

 

Casa Fiat de Cultura

Circuito Liberdade

Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG

Horário de funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h – Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Informações | (31) 3289-8900 | www.casafiatdecultura.com.br